Palavras Fluídas
Série de desenhos e objetos 2010 ~

Palavras Fluídas são como mapas desconstruídos à procura de um lar ideal. Traçados na poética da palavra escrita como um diário visual, percorrem o fluxo da minha vivência e os contornos da minha imaginação.

Insiro a colagem de mapas cartográficos de diversas regiões do Japão, principalmente, regiões idealizadas culturamente, como o Monte Fuji. O Monte Fuji foi reproduzido à exaustão nos clássicos japoneses de Ukiyo-e durante o período da Era Edo (1603-1868), tornando-se um ícone; elemento primordial na construção do imaginário coletivo dos japoneses, e também dos descendentes de japoneses no Brasil.

Juntamente com os mapas, introduzo a poética escrita de Fernando Pessoa, com poemas que escondem-revelando a nostalgia de um lugar existente-ausente, e também a memória da palavra e da língua pátria.

“Cantava, em uma voz muito suave, uma canção de pais longínquo. A música tornava familiares as palavras incógnitas. Parecia o fado para a alma, mas não tinha com ele semelhança alguma. A canção dizia, pelas palavras veladas e a melodia humana, coisas que estão na alma de todos e que ninguém conhece. Ele cantava numa espécie de sonolência, ignorando com o olhar os ouvintes, num pequeno êxtase de rua. (...)”  Bernardo Soares